Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Moneris na linha da frente da transformação digital

A transformação digital e a inovação que a Moneris está a trazer ao setor da contabilidade e fiscalidade abordado num artigo do jornal económico online ECO.

Automação, inteligência artificial, mobilidade digital, são tudo conceitos novos a um setor conservador relativamente à tecnologia. As palavras do chairman da Moneris, Carlos Oliveira resumem bem o novo mote em que a Moneris vive.

“transformar a Moneris numa empresa de base tecnológica, em que os especialistas [que constituem hoje a empresa] estão ao dispor dos seus clientes em vez de estarem presos a processos administrativos”

Carlos Oliveira, chairman Moneris

Leia o artigo da Eco na íntegra aqui

Artigo Eco:

Os desafios da transformação digital no sector da contabilidade

Estará a função de contabilista ameaçada pela automação?

A transformação digital traz desafios também ao setor da contabilidade, sendo a solução inovar e recentrar a atividade.

A era da transformação digital está aí e não há nenhum setor de negócio que lhe esteja imune – e ainda bem. Se por um lado a inteligência artificial, o machine learning e a robótica podem ser encarados como ameaças a determinadas profissões, a verdade é que também podem – e devem – ser aproveitadas pelas organizações como oportunidade de crescimento, de inovação e maior eficiência nos processos.

No caso do setor da contabilidade, os desafios parecem acrescidos, isto porque é já em janeiro de 2020 que entrará em vigor as novas Normas Internacionais de Relato Financeiro (IFRS), no âmbito da revisão do projeto IFRS Taxonomy.

Levado a cabo pelo International Accounting Standards Board (IASB), o projeto pretende homogeneizar a forma como a informação financeira é apresentada.

Isto faz com que todas as empresas cotadas em bolsa sejam obrigadas a apresentar o seu relato financeiro anual em formato eletrónico ou digital.

Estará o setor da contabilidade português preparado para este desafio?

Na vanguarda da automação

No caso da Moneris, a adaptação à era digital está a ser feita com otimismo e naturalidade, estando a aposta nas tecnologias na base de construção desta especialista em contabilidade e apoio à gestão.

“Inovar está no nosso ADN”, resume Carlos Duarte de Oliveira, chairman da Moneris.

Prova disso são os vários projetos que tem vindo a implementar para acompanhar a evolução tecnológica, nomeadamente o desenvolvimento de um Robotic Process Automation (RPA) que já está funcionamento em várias das suas unidades de negócio.

Estes robôs permitem aliviar a carga de trabalho e de tempo dos contabilistas despendida em processos administrativos, para que se possam dedicar a outras tarefas de valor acrescentado para o cliente.

“Estes processos de transformação digital estão a permitir transformar a Moneris numa empresa de base tecnológica, em que os especialistas [que constituem hoje a empresa] estão ao dispor dos seus clientes em vez de estarem presos a processos administrativos”, explica Carlos Duarte Oliveira.

Irá o contabilista ser substituído por robôs?

A Moneris defende uma posição clara: não. Mas alerta para a necessidade de entender as alterações profundas que esta inovação tecnológica traz aos profissionais da área.

Através destes novos processos de automação, mitigam-se erros, aumenta-se a produtividade, a eficiência e, sobretudo, recentra-se a atividade do contabilista naquilo que um robô não pode fazer: a análise e o aconselhamento dos clientes no processo de decisão.

Outro dos projetos em que a especialista em contabilidade está a apostar no âmbito da transformação digital é a desmaterialização, através da ferramenta OMNIA, da Primavera.

De acordo com o CEO da Moneris, Rui Almeida, um dos desafios da empresa é a gestão deslocalizada dos seus 300 colaboradores, espalhados por 10 distritos, o que torna os processos de Recursos Humanos mais complexos.

Através desta ferramenta de agile, “os processos são feitos hoje de forma desmaterializada, completamente desburocratizada, colocando ao colaborador a possibilidade de corresponsabilizar-se na gestão da sua carreira”, revela Rui Almeida.

Scroll to Top