Partager sur facebook
Partager sur twitter
Partager sur linkedin
Partager sur whatsapp

O desafio literacia financeira em Portugal

Pedro Neto, Partner Corporate Finance e Moneris Academy, escreve hoje no especial Jornal Económico sobre os desafios da literacia finaceira em Portugal.

Leia aqui o artigo:

Num pais com claras deficiencias ao nivel da literacia financeira dos cidadãos, mas onde o programa relativo a este objetivo e visto como um modelo exemplar, pela sua coordenaçao entre entidades supervisoras, duas das maiores instituições de credito no mercado nacional abordam as dificuldades na promoção de maiores competencias e conhecimentos financeiros junto de familias e empresas.

A literacia financeira em Portugal é de facto um dos fatores de fragilidade em termos de promoção do desenvolvimento empresarial e consequentemente da competitividade do tecido económico.

De facto, Portugal, e fruto do grande crescimento empresarial das décadas de 80 e 90, apresenta um tecido empresarial composto por empresários de elevada competência técnica e comercial, sendo que, por outro lado, apresenta enormes lacunas ao nível de outras variáveis que incorporam a capacidade de gestão, numa forma lata, e nomeadamente no que respeita à gestão financeira do negócio.

Os agentes económicos têm efetivamente que se consciencializarem que, a partir do momento que passam a ser empresários e gestores, que a sua função essencial é gerir a empresa no seu todo, e que a função financeira é uma das áreas de relevo para o sucesso ou não dos projetos empresariais.

Continuamos a ter infelizmente muitas empresas que não sabem “a quantas andam”, ou seja, e como exemplo, se estão a ter rentabilidade nos negócios, não sabem qual o custo real de produção dos seus produtos, quais os produtos que estão a dar prejuízo ou lucro, entre outros aspectos do foro da informação financeira.

Este cenário, que enfraquece a capacidade empresarial, pode e deve ser “combatido” com medidas de capacitação dos agentes económicos, desde a sua fase inicial da atividade empresarial.

Aliás, alguns países adotaram já há algum tempo medidas que “obrigam” os profissionais que querem ser empresários a terem ações de formação nas diversas áreas da gestão, onde claro, a literacia financeira é parte integrante.

Neste sentido, e estando a Moneris precisamente na vertente de apoio à gestão das empresas, a consciência para a capacitação dos empresários e dos diversos agentes económicos é efetivamente um dos desígnios que se tem vindo a promover, e exemplo disso é o desenvolvimento, via da Moneris Academy (que desenvolve projetos de formação para profissionais), e conjuntamente com alguns dos Organismos Públicos que têm programas de “combate à iliteracia financeira”, de ações formativas que possibilitem aos empresários e gestores a capacitação em termos da gestão financeira.

Assim, a estratégia passa efetivamente pelo alargamento do apoio público para a capacitação dos atuais agentes económicos ao nível da literacia financeira, na consciencialização dos agentes económicos para esta temática, e no desenvolvimento de medidas que promovam a capacitação financeira dos futuros empresários, onde um dos exemplo pode ser a adoção do “passaporte empresário”, que se traduz num processo formativo obrigatório para a atividade empresarial.

Retour haut de page